Publicado 12/04/2021

O que é economia circular e como ela se aplica à indústria gráfica?

O que é economia circular e como ela se aplica à indústria gráfica?

Você já deve ter ouvido o termo economia circular e sobre sua relação com sustentabilidade. Mas realmente sabe o que ele significa? Sabia que isso pode ter relação direta com os materiais impressos da sua empresa?

A economia circular é um conceito que aborda a redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e de energia. Falando assim, fica até mais fácil entender a relação dela com a indústria gráfica, não é mesmo?

Foi a partir da economia circular que passou-se a dissociar o crescimento econômico do aumento do consumo desenfreado de recursos, que tem apresentado efeitos devastadores para o planeta terra. Dessa maneira, elaborou-se uma visão mais contínua e cíclica de produção, em que os recursos são reaproveitados, deixando de serem somente explorados e descartados como lixo.

Para entender melhor como funciona esse conceito que une a economia e sustentabilidade, além de saber como ele se aplica à indústria gráfica, confira o restante deste post. Boa leitura!

O que é economia circular?

O conceito de Economia Circular é baseado em ciclos da natureza, que tem como essência transformar resíduos em insumos. As folhas que caem de uma árvore na floresta, por exemplo, se decompõem e viram adubo para o resto daquela cadeia natural. A Economia Circular adota essa mesma concepção no modo de pensar o processo produtivo e de consumo.

Para ficar mais claro, vamos analisar a Economia Circular sob o ponto de vista de uma indústria de produtos, como a de smartphone. A cadeia produtiva deste dispositivo pode ser remodelada de uma maneira em que peças dos aparelhos usados podem ser reprocessadas e, assim, reintegradas à cadeia de produção.

Resumindo, esses componentes são transformados em componentes para a fabricação de mais produtos eletrônicos, ao invés de serem simplesmente descartados.

É justamente daí que vem essa relação entre Economia Circular e a sustentabilidade. Afinal, ela é baseada nos ecossistemas naturais – geram recursos a longo prazo em processos de reaproveitamento e de reciclagem que são regenerativos.

Como implementar a Economia Circular?

Para implementar a Economia Circular, é preciso que todos os envolvidos no ciclo de vida do produto participem do processo. Essa ação não depende somente das empresas e envolve todas as etapas do ciclo de consumo.

Aos poucos, diversos países estão encontrando formas de colocar isso em prática. No Brasil, por exemplo, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) foi implantada em 2010. 

O objetivo da PNRS é garantir a responsabilidade compartilhada do ciclo de vida dos produtos e também a operação reversa e o acordo setorial. Isso significa que todos os agentes do ciclo produtivo – incluindo os consumidores e os serviços públicos – devem diminuir o volume de resíduos sólidos e praticar formas que permitam que os produtos se reintegrem ao ciclo produtivo.

Empresas que acreditam na Economia Circular já têm investido no desenvolvimento de processos e tecnologias para aplicá-la nos seus negócios. Um dos principais instrumentos por elas neste sentido é a Logística Reversa, que explicamos melhor mais adiante neste post.

Existe também um esforço cada vez maior em tomar medidas para difundir informações relacionadas às questões ambientais, para que a sociedade entenda a importância de uma economia mais sustentável.


A Logística Reversa e a Economia Circular

A logística reversa é uma ferramenta que tem como objetivo direcionar embalagens e produtos pós-consumo, como pilhas, pneus, lâmpadas, além de metais e plásticos em geral para reciclagem ou obtenção de energia.

A aplicação desta estratégia na gestão de resíduos sólidos está diretamente relacionada com aplicações de economia circular. Afinal, a logística reversa foi criada para lidar com os impactos das embalagens e produtos fabricados pelas empresas, processando-os e reciclando-os, promovendo um ciclo econômico regenerativo.

Esse conceito torna as empresas responsáveis pelos produtos que comercializam para além de quando é comprado pelo consumidor. Um negócio que pratica uma logística reversa retorna seus resíduos para a cadeia produtiva, evitando o descarte em aterros e lixões, gerando impacto ambiental negativo.

Desta forma, todos os materiais descartados são entregues a cooperativas e operadores de reciclagem, que processam os resíduos e os direcionam para reciclagem ou para geração de energia.


Como este conceito se aplica na indústria gráfica?

Migrar para a Economia Circular na indústria gráfica pode parecer difícil, mas não é impossível. Sabemos que os substratos celulósicos vêm de árvores plantadas, que são fontes renováveis.

Ao redor do mundo, inclusive no Brasil, os produtos impressos em papel já são reciclados – o que já faz parte do conceito de Economia Circular. Além disso, há uma preocupação por parte dos fabricantes em produzir tintas e vernizes, itens essenciais em materiais gráficos Cada vez mais estes materiais são produzidos com componentes que sejam renováveis e passem pela reciclagem.

Mas, para o processo ser completo, é preciso que clientes, consumidores finais e autoridades também entendam o significado e a importância da Economia Circular. Dessa maneira, acredita-se que eles optariam por produtos que sigam esse conceito para, então, fechar o ciclo da Economia Circular.

Quais são os benefícios da Economia Circular?

A aplicação da Economia Circular pode ter reflexos no desenvolvimento econômico, com a melhoria nas condições de vida e de emprego, redução dos custos de produção e a regeneração dos recursos naturais. Afinal, o foco deste modelo é manter o valor de produtos e materiais pelo maior tempo que for possível dentro do ciclo produtivo.

A curto e a longo prazo, a Economia Circular também gera benefícios e oportunidades, como a melhoria da competitividade, através de novos modelos de relações com clientes e, consequentemente, do surgimento de novos modelos de negócios.

Ambientalmente falando, a Economia Circular ajuda a conservar o capital natural, a reduzir ou até evitar totalmente o descarte de resíduos na natureza, a diminuir as emissões de gases do efeito estufa e, portanto, combater os efeitos das alterações climáticas.


Como a Posigraf contribui para a Economia Circular?

Para nós da Posigraf, sustentabilidade é uma estratégia fundamental para os negócios e para o futuro das novas gerações. Por isso, grande parte dos materiais que utilizamos são transformados e retornam para o ciclo em um processo contínuo e regenerador.

Temos um projeto de logística reversa e economia circular, iniciado em 2018, que já encaminhou mais de 40 toneladas de material didático para reciclagem e destinou mais de R$ 10 mil para um projeto social. A iniciativa começou nos Colégios Positivo de Curitiba (PR) e em 2019 foi expandida para todos os Colégios do Grupo Positivo em Londrina (PR), Ponta Grossa (PR) e Joinville (SC).

Veja como funciona o nosso projeto de logística reversa e economia circular:

Como a Posigraf contribui para a Economia Circular?

1. Impressão
Seguindo os padrões de qualidade e sustentabilidade, a Posigraf é a responsável pela impressão do material didático.

2. Utilização
O material didático impresso na Posigraf é utilizado por mais de 800 mil alunos, em escolas públicas e particulares, no Brasil e no Japão.

3. Descarte
Ao fim do ano letivo, os livros e materiais pedagógicos utilizados pelos estudantes são descartados, recolhidos e encaminhados ao processo de reciclagem, para virar matéria-prima para a produção de outros materiais.

4. Coleta
Os materiais são coletados periodicamente nos Colégios do Grupo Positivo por um fornecedor devidamente habilitado para a realização da atividade.

5. Processamento e reciclagem (KWM)
A KWM, nossa parceira na gestão de resíduos, utiliza as aparas de papel e plástico na produção de outros materiais, como sacolas plásticas, papel-toalha e papel higiênico, lixeiras, etc. O plástico não reciclável é encaminhado para reciclagem energética e é utilizado no processo de geração de energia em cimenteiras.

Todo esse processo contribui para a política aterro 0, utilizada na Posigraf. Ou seja, nenhum resíduo da nossa produção é destinado a aterros sanitários. Tudo é coletado, processado e retransformado. Um exemplo disso, é o nosso brinde de final de ano em 2020. Criamos um que tinha um caderno de notas e um calendário de 2021 com a capa feita de papel com sementes de margaridas. Junto também foi entregue a terra e um vasinho feito com resíduos da Posigraf, para que as pessoas pudessem semear suas flores.

Outras práticas sustentáveis da Posigraf

Além das nossas ações de economia circular e logística reversa, contamos com um sistema de gestão ambiental certificado internacionalmente, que busca utilizar recursos de forma racional, além de minimizar os impactos de todas as nossas atividades ao meio ambiente.

Algumas de nossas ações de de destaque são:

  • Tratamento de todos os resíduos líquidos gerado nos processos de pré-impressão e impressão;
  • Tratamento de emissões atmosféricas, com monitoramento periódico para atestar o atendimento às legislações ambientais;
  • Controle da emissão de ruídos, com barreiras acústicas instaladas em nossa planta industrial;
  • Gestão de resíduos sólidos que atinge o patamar de mais de 90% de reciclagem dos materiais usados no nosso processo produtivo.

Através destas ações, aliamos a competitividade das nossas operações ao conceito de sustentabilidade. Buscamos resultados econômico-financeiros com ética e redução dos impactos sociais e ambientais. Assim, agregamos valor aos nossos negócios, mas também contribuímos com o desenvolvimento da sociedade.


Acesse nosso site e conheça melhor as nossas boas práticas de sustentabilidade!


Agora que você já sabe o que é a Economia Circular, como ela funciona e como aplicamos o conceito aqui na Posigraf, entre em contato conosco e leve esse conceito para os materiais impressos da sua empresa.